terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Natal 2009 #2

Sei que estou a ser um pouco lamechas, mas confesso que tenho saudades do Natal da minha infância. Tudo era mais simples, vivido com maior intensidade, tudo era diferente. Desde o montar a árvore de Natal, que era sempre natural, o construir o presépio com as imagens artesanais, em barro, algumas delas feitas por mim; o musgo e o azevinho que eu próprio ia colher num pinhal próximo, as luzes de várias cores, tudo aquilo tinha um "je ne sais quoi" de mágico. Hoje já nem o azevinho se pode colher, dado que é uma planta que se encontra em extinção, pelo menos no nosso país. E os doces tradicionais! Oh que maravilha, aquele cheiro característico que emanava por toda a aldeia nesta altura do ano. Havia uma espécie de competição entre as mulheres para ver quem fazia as melhores filhoses e os melhores coscorões. Os homens ficavam com a responsabilidade de procurar a melhor lenha para queimar na tradicional fogueira de Natal. E era à volta desta que todos se juntavam após a ceia, onde nunca faltava o tradicional bacalhau com couve, regado em muito azeite. Ali ainda existia o espírito do Natal que fazia com que familiares e amigos, todos se juntassem, comessem e bebessem as melhores iguarias.
Eram outros tempos. Esse Natal de outrora não volta mais e jamais terá tanto significado.

2 comentários:

Daniel Silva (Lobinho) disse...

A última frase diz tudo... De qualquer forma nao te aches lamechas por falar de outros tempos. Um homem forte e robusto sem momentos de humanidade nao é um homem, é uma besta, ja o dizia um filósofo da antiga Grécia.

Boas festas também para ti.

cristina disse...

sim....esses tempos já não voltam!
agora acho que é tudo muito artificial ,as crianças já não se contentam com as famosas cuecas e meias,agora querem as bonecas que custam uma pipa de massa!
Ó tempo volta pra trás!!!!