quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

11 Anos

Foi num dia frio e cinzento como o de hoje, neste mesmo dia 11 de Dezembro, que recebi a notícia que irias partir...para sempre. De repente o mundo à minha volta parou. Foi como se tivesse levado um soco no coração. Um grande vazio apoderou-se de mim, vazio esse que só tu poderias preencher, com esse teu sorriso, a força de viver e lutar para viver. Mas foste vencida e levaram-te ainda tão nova, com tanto sonho e esperança ainda por realizar, com uma vida pela frente que te foi tirada, sem que o merecesses. Ainda tinhas tanto para dizer, tanto para aprender, tanto para ver e ouvir, mas o destino assim quis que acontecesse, e tu partiste. Hoje, esse vazio que ficou dentro de mim é preenchido com onze intensos anos de saudades e recordações de todos os momentos bons que vivemos juntos. Quando eu era ainda criança e tu me fazias aquele xarope caseiro para a tosse. Ou as torradas acompanhadas de leite morno que me levavas à cama quando eu adoecia. Tu estavas lá, sempre, quando eu mais precisava de ti. E eu não pude retribuir. Mas onde quer que estejas eu sei que estás a zelar por todos aqueles que amavas e te sentes orgulhosa de todos nós, os teus filhos e netos. Porque viver é sofrer eu nunca me esquecerei de ti...
Mãe.

2 comentários:

Nuno Soares disse...

As saudades são sempre muitas, e lembro-me da tua mãe como se fosse hoje.

Ainda hoje em dia de vez em quando falo com a minha mãe dela e ela as vezes conta coisas que me fazem mesmo rir.

Eu acho que são essas coisas que devemos recordar, e pessoas como a tua mãe ficaram sempre nos nossos corações.

C.Cruz disse...

Sim, ela era uma pessoa única, e era possuidora de uma energia contagiante. Dificilmente, quem estava junto dela ficaria mal humorado, porque ela, apesar dos problemas e da doença, transbordava sempre de boa disposição.