sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Processo "Carlos Cruz"

E não lhe chamo processo Casa Pia porque o nome está mais que saturado e porque neste momento todas as atenções estão viradas para o ex-apresentador de televisão. Tenho uma questão a fazer, porque é que se dá tanto tempo de antena a este indivíduo? E quem diz a ele diz também aos outros seis arguidos do mesmo processo. Perturba-me a importância que é dada a um arguido condenado por crimes de pedofilia, mas enfim. Cabe na cabeça de alguém, um homem que é condenado a sete anos de prisão, por ter cometido crimes de pedofilia, ter a exposição pública que tem tido? Vem para a televisão com voz trémula, olhinhos de cachorrinho arrependido, lamentar-se da sua vida miserável, como se estivesse à espera que seja o povo a salvá-lo da choldra. Duma coisa estou convencido, de cada vez que o ouço a dar uma entrevista, ou a esquivar-se a determinadas perguntas com respostas sem nexo, como fez ontem na "Grande Entrevista" com Judite de Sousa, de cada vez que isso acontece, mais me convenço de que ele não está inocente. E depois vem para a televisão dizer que as pessoas são más, que estão contra ele?!

Uma coisa é certa, quando ele se questiona do porquê de os juízes afirmarem que apenas ele foi condenado por ter ido à casa de Elvas "mas só eu é que estive na casa de Elvas?", já está a admitir que lá esteve, apenas não quer ser condenado sozinho nesse crime. Eu não sei se ele é culpado ou inocente, se foi julgado justa ou injustamente, mas quem sou eu para questionar a decisão de um juiz? E infelizmente a nossa justiça não é um modelo exemplar, mas se fosse eu ou o Zé Manel ali do 2º direito, será que também teria todo este mediatismo e o direito a justificar-me com entrevistas infinitas nos meios de comunicação?!

2 comentários:

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Concordo em absoluto. E quando pergunta: "mas como é que provam"? está já implicitamente a dizer que, se nao podem provar é porque está inocente, e sabemos muito bem que o facto de nao se poderem provar crimes (no caso em que falta produçao de prova) nao significa que nao tenham sido cometidos.

Mike disse...

Não digo que não tenham existido abusos. Acho é que este processo serviu para tapar muita outra coisa que nunca se chegará a saber.
Quanto ao CC, e não estando a defendê-lo, já dei uma vista de olhos no site dele e sem perceber muito do assunto, dá para ver que há muita coisa que não bate certo.