segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Do Filme do Ano


Que me perdoem os mais cépticos e mesmo correndo o risco de vir a ser apedrejado em praça pública, mas eu não fiquei nada convencido com os resultados de ontem na noite dos Óscares. "The Artist", ou "O Artista" em português, ganhou o óscar de melhor filme. E se eu já não tinha vontade de ir ver esse filme, por reunir as três características que me afastam de um ecrã de cinema, agora menos vontade tenho. Nove eram os filmes nomeados para a categoria de melhor filme e desses nove ganha um filme... 1º francês!... 2º mudo!... e 3º a preto e branco! Em pleno século XXI, como é que um filme deste gabarito arrecada 5 óscares?! Não traz nada de novo, retrata uma história de amor em Hollywood em 1927. Quais efeitos especiais, quais histórias verídicas, quais cenários de cortar a respiração, quais temáticas que afectam a sociedade na actualidade, senhores realizadores esqueçam tudo isso porque o cinema mudo voltou e triunfou.
E com isto espero não levar com um tijolo nas fuças, mas continuo a não ter qualquer interesse em perder uma hora e tal do meu precioso tempo a ver este filme.

2 comentários:

Guerreiro disse...

Concordo inteiramente consigo!

silvestre disse...

nem ficaste tu, nem fiquei eu. Os descendentes era um muito melhor filme. Com papas e bolos se enganam os tolos...