quinta-feira, 22 de julho de 2010

Luto

Não sei como começar este post. Não sei o que escrever, pois é difícil exprimir a dor que me vai na alma. Nestas alturas é difícil falar quanto mais escrever, tal é a confusão em que mergulha a nossa mente.
Passamos a vida a adiar encontros, a adiar jantares, a adiar telefonemas, a adiar "aquele café à tanto tempo prometido, para colocar a conversa em dia". E de repente, quando acordamos para a vida, chegamos à conclusão que não podemos adiar mais, seja o que for. Porquê? Porque aquela pessoa a quem prometemos "aquele café" ou "aquela visita" já não está mais neste mundo, partiu para todo o sempre.
Recebi esta semana, a notícia de que um amigo meu falecera de acidente. Não estava à espera, ninguém estava à espera. Não estava preparado. Foi como levar um soco em cheio no estômago e ficar ali, horas, sem conseguir respirar. Foi como mergulhar num pesadelo e ao mesmo tempo ter consciência e não querer acordar, porque enfrentar a realidade dói como tudo. Ainda não acredito, parece mentira.
Daqui só concluo que não vale a pena guardarmos rancor, andarmos chateados uns com os outros, andar a discutir, a invejar o vizinho do lado, a dizer mal deste e daquele. Porque esta vida são dois dias e deve ser aproveitada ao máximo, tirar maior partido das amizades, da família, dos prazeres que a vida tem para nos oferecer. Porque quando menos esperamos, a oportunidade de sermos mais felizes, mais ricos humanamente, já se esfumou como nevoeiro numa manhã de Inverno. E é isto.

Tony, Paz à Tua Alma.

6 comentários:

Hydrargirum disse...

:(((((((

Não há qualquer palavra que algum dia, justifique, explique, ou dê aceitação a algo assim...

Dizer-te que lamento, nunca expressaria o meu estado, depois de te ler aqui...

silvestre disse...

Lamento imenso. De facto o dia vive-se ao minuto. Há quem pense que sou meio maluco por isso, mas nada é grantido, nada.

zeh disse...

estas situações fazem-nos sempre pensar um pouco e colocar as coisas em perspectiva... lamento.

C.Cruz disse...

Obrigado.

Pedro José disse...

Abraço!

Margarida disse...

Partilho da tua dor meu amigo e como te compreendo. Ainda hoje não acredito, duas no mesmo dia, no mesmo local é muito duro.Só soube do António na terça. É dificil esquecer e avançar mas é que temos que fazer com a vida. Quando damos conta o nosso comboio já passou. Um beijnho grande. Quando vieres para estes lados dá notícias, não quero deixar passar mais tempo sobre mais um café há tanto esperado. Quando menos queremos e esperamos arranjamos tempos para estar presentes.